5.17.2011

Rua Augusta, quase três anos depois


 "Let me take your little hand, let me make you understand /That the world is not as beautiful and free, like you believe" (A song for the Emperor, Ordo Rosarius Equilibrio)

É curioso observar o quanto a paisagem muda no Centro, como os pedaços de memória  presentes na geografia urbana se esvaem de acordo com as ondas da especulação imobiliária.


Por anos vivi na rua Augusta, próximo ao centro, muito antes da transformação daquele pedaço do Inferno em uma espécie de Vila Olímpia para gente pobre e fã de All Star. As ruas eram dominadas pelos puteiros, à noite os grupos que por ali circulavam eram quase exclusivamente masculinos e o comércio se resumia a uns poucos botecos, um fliperama, um sebo, a loja de chapéus do senhor Maurice Plas, os cabeleireiros, o tiozinho que vende um monte de bugigangas ao lado da academia, as putas, o sex shop e alguns outros poucos negócios. Não havia casas noturnas, nem bares estilosos, nem temakerias, nem lan houses. Uma rua que, durante o dia, tinha uma vida completamente ordinária e à noite se transformava em um lugar para o exercício da prostituição e do tráfico.

Obviamente estou excluindo tudo o que está acima da Matias Aires. O mundo do Espaço Unibanco, do Cinesesc e da Galeria dos Pães não faz parte da Augusta que conheci e cuja transformação acelerada em um playground niilista está se tornando cada dia mais vertiginosa e agressiva. Pois o que antes era algo que eu chamava de lar, hoje rende-me motivos para querer colocar dinamite em cada esquina e ver os corpos de centenas de emos e hipsters (rótulo ridículo para designar a escória que antes chamávamos "moderninhos") se transformarem em amontoados de carne queimada. O exagero é proposital e o foco dado para emos e hipsters foi bastante injusto quando o caos de tipos detestáveis que por ali passeiam é tecnicamente impossível de contabilizar. Todavia, todo ato de ódio precisa de um alvo claro, um inimigo, um bode expiatório: o meu bode usa franja, roupas coloridas e gosta de xingar no Twitter.

Não nos desviemos, porém, do eixo condutor de todo o azedume desse texto, isto é, a transformação espacial da rua Augusta, especialmente do trecho compreendido entre a Matias Aires e a Marquês de Paranaguá. Era entre essas quadras que o espírito da Augusta meretrícia tinha a sua mais plena realização. O Castelão era um dos puteiros mais comentados na comunidade Amigos da Rua Augusta, no saudoso Orkut: ainda resistindo ao sopro abrasivo da especulação imobiliária, recentemente passei ali em frente com uns amigos e vi uns trocentos caras fazendo fila para entrar, homens de todas as idades e tipos no mesmo ritual antiqüíssimo de gastar dinheiro com mulheres, bebidas e, se tudo der certo, ainda arrumar uma boa briga com uns cuzões filhos da puta. Muitas vezes ser homem é isso aí: ser um herói para os amigos e um completo imbecil para o resto do mundo. Não me admira que isso ainda exista, o que me deixa espantado é ver mulheres clamando por "igualdade" e muitas vezes resumindo essa busca a tão simplesmente ter o direito de agir da mesma forma ridícula que os homens sempre fizeram. Na rua Augusta, esse vórtex espaço-temporal que comunica o Nono Círculo do Inferno com o nosso plano físico (isso não é uma metáfora, mas uma realidade percebida após muitas e dedicadas observações; por que devemos acreditar que o Inferno é algo distante quando há muitos indícios de que estamos cercados por demônios?) na rua Augusta é comum vermos a suntuosa Degradação desfilar entre todos os sexos, das mais variadas formas: pegando DST no Las Jegas, enfiando o nariz em cal e remédio triturado com 10% de cocaína, caindo na calçada e sendo esquecido pelos amigos ainda mais transtornados em uma viagem de ácido que faz com que um simples cano soltando água pareça um tsunami que vai levar todo mundo rolando até o Anhangabaú.

As doenças, as drogas e os porres sempre estiveram por ali, pelo menos desde quando comecei meus rolês pela região, nos idos de 1997/1998. A diferença é que os antigos prédios estão sendo jogados ao chão, os puteiros fechando, as lojas ganhando glamour. Na esquina da rua Dona Antônia de Queirós com a Augusta havia um casarão decrépito, todo cagado de pombos, onde morava um monte de gente. Apesar do descaso com aquele imóvel, eu o achava demais. Uma espécie de reminescência de um passado impossível de reconstruir; ele estava ali cumprindo um papel, mostrando que antes as pessoas viviam em casas grandes, espaçosas, com janelas imensas, e não essa subvida de apartamentos de trinta metros quadrados a um milhão de reais. Pois bem: o casarão hoje é só uma fagulha da minha memória, pois foi derrubado e alguma construtora iniciou ali as obras de um super apartamento. Lembro que ali, nas paredes do casarão, colei cartazes de vários shows, marquei de encontrar diversas pessoas e via todo dia uma puta muito séria com peitos enormes que, pelo menos nas últimas vezes que ali passei, não estava mais lá. Será que ela morava no casarão? Ou se entristeceu com aquele prédio ridículo e se mandou para tentar a vida em outro lugar? Muitas mulheres, aliás, deixaram a rua Augusta após a diversificação da vida noturna, processo, se não me engano, iniciado pelo Vegas, que trouxe para aquele lado da cidade os playboys e as minas arrumadinhas da Faap. Depois, um boteco imundo deu lugar ao Ibotirama, apelidado de "bar verde" na época, e então o Inferno se remodelou, as calçadas foram tomadas por hordas de punks, hardcoreanos, skins, indies, bichas, modernos e um monte de outras coisas, todas juntas no mesmo lugar, e era você sento intimado forte por qualquer motivo, era você sendo socado por qualquer motivo, um clima de tensão lindo, lindo mesmo, que fazia uma simples andança noturna para ir ao Econ 24 Horas uma aventura danada para guardar e contar para os netos.

Acho que em 2007 foi o auge da violência na Augusta. Punks e skins se esfaqueando a milhão. Até o Fantástico deu cobertura aos fatos. Minha santa mãe me ligou no mesmo dia perguntando se o assassinato tinha acontecido perto de casa. Sim, mãe, foi aqui na porta praticamente, legal né? Choro de mãe é uma coisa tão triste. A minha não chorou, embora tivesse gente disposta a fazer com que isso acontecesse, pelo menos é o que me contaram tempos depois. Aos poucos os ânimos foram se acalmando. Uma temakeria apareceu logo depois da Matias Aires. Existe coisa mais covarde que uma temakeria? Depois, foi o Kebabel. Os prostíbulos fechando. O Vegas já bombando desgraçadamente. O Café Paris cerrou as portas mais ou menos após a consolidação da Augusta com esse novo perfil. As putas minguando nas ruas, descendo mais para o centro, ou migrando para o Jardim Europa, onde senhores respeitáveis e pançudos, cansados de suas esposas feias, poderiam render uma nova (e abastada) clientela. E toda vez que eu passava por ali após a mudança de endereço (deixei de morar na Augusta em agosto de 2008) eu encontrava um novo estabelecimento que, só pela fachada, me dava uma vontade imensa de vomitar. A coisa mais asquerosa que surgiu por ali nos últimos tempos foi um teatro de stand up. As filas que se formam, as pessoas que se acumulam naquelas filas... A vontade é passar por ali borrifando ácido. Seria esse ímpeto um bairrismo de ex-morador? Uma vontade de manter a Augusta com a arquitetura urbana apodrecida de anos atrás, sem prédios novos, sem baladas arrumadinhas para pessoas arrumadinhas? Talvez seja apenas isso, apenas resmungos, apenas pensamentos sem validade, pois não há vontade alguma dos poderes públicos em preservar a memória profana daquele pedaço do Inferno onde o Vício, o Amor, a Amizade, o Ódio e a Devassidão corriam soltos, despudoramente soltos e, até certo ponto, inconscientes de sua própria podridão. Agora, há ainda tudo isso, mas com um verniz espetacular cujo aroma não me engana. Ou que já me enganou bastante e agora, depois de tanto tempo, já não me engana mais.
__________________________________________________


Outros textos que escrevi me baseando não só na Augusta, mas na cidade de São Paulo em geral:


Um comentário:

  1. Anônimo9:42 AM

    depois de um pequeno hiato,seu texto visceral ressurge,como sempre admiro muito seu trabalho e aguardo por seu livro,compartilho desse mesmo ponto de vista sobre os tentaculos da modernidanide,nos afastar cada vez mais de nossa natureza primitiva.

    ResponderExcluir